John Elkington na Conferência Anual do BCSD
6 Out 2015

A Conferência Anual do BCSD tem data marcada para 25 de Novembro e vai decorrer no Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa. Com o mote “Economia de Baixo Carbono – soluções made in Portugal”, o evento vai abordar as soluções empresariais para a economia de baixo carbono que já existem em Portugal e será um dos marcos do projeto economia de baixo carbono que o BCSD tem vindo a desenvolver nos últimos meses. O britânico John Elkington é um dos oradores que já confirmou presença na Conferência Anual.

John Elkington (@volansjohné escritor, pensador e empreendedor. É co-fundador e presidente executivo da Volans, consultora & think thank focada em encontrar soluções empresariais para os maiores desafios do futuro. John Elkington é também presidente honorário da consultora SustainAbility e integra cerca de 30 administrações e conselhos consultivos de várias empresas. O seu 19.º livro – “The Breakthrough Challenge: 10 Ways to Connect Today’s Profits with Tomorrow’s Bottom Line” – foi escrito em conjunto com Jochen Zeitz, antigo CEO da PUMA e atual co-presidente, com Sir Richard Branson, da “The B Team”. A última publicação de John Elkington foi lançada em Maio, chama-se “The Stretch Agenda” e é um relatório em formato de dramatização, que dá voz às conversas que se passam dentro da sala de reuniões do conselho de administração de uma das maiores empresas globais, porém fictícia.

Os conteúdos da “The Stretch Agenda” estão relacionados com o trabalho que John Elkington tem feito em torno do “Breakthrough Challenge” e contém uma visão dos negócios para os próximos 10 anos – de 2015 a 2025 – período que Elkington denomina como “The Breakthrough Decade“. John Elkington está convicto de que os próximos 10 anos vão ser extraordinários em oportunidades, mas também considera que vão acarretar muitos riscos.

Na perspetiva de Elkington, atualmente estamos a viver o paradigm shift de Thomas Kuhn, isto é, estamos a caminhar para um período em que tudo vai acontecer muito mais rápido do que conseguimos imaginar. Neste cenário, as empresas terão de reagir de formas muito diferentes das habituais, já que as pessoas, os consumidores, os clientes, vão exigir novos métodos de avaliação e métricas em múltiplas dimensões, que não só a financeira. Dimensões como a social, ambiental, governance, ética e financeira terão de passar a estar totalmente integradas. John Elkington é positivo e acredita que os jovens e as novas gerações são privilegiados – estamos e vamos continuar a viver uma época cheia de desafios, em que o potencial para inovar é enorme.

 

The Stretch Agenda

The-stretch-agenda (1)

The Stretch Agenda: Breakthrough in the Boardroom” reúne o conhecimento e a experiência provenientes das várias dinâmicas e conversas com equipas de gestão de topo a que John Elkington tem assistido ao longo dos anos. Desenvolvida para incentivar os líderes empresariais a explorar novos modelos de negócio, a dramatização aborda os argumentos e as barreiras para a mudança de forma muito descontraída.

As conversas passam-se na sala do conselho de administração de uma grande empresa, que determinou a sua “The Stretch Agenda”. Durante a reunião, os membros da gestão de topo ponderam sobre a necessidade de repensar o modelo de negócios da empresa, para que, através da mudança incremental, passe a enquadrar as profundas mudanças económicas, sociais e ambientais que se avizinham. As personagens que vivem a história são: chair, chief executive officer (CEO), chief financial officer (CFO), chief human resources officer (CHRO), chief marketing officer (CMO), dois Young Graduate Leaders e o cargo que John Elkington acredita que vai surgir a curto prazo: Chief Strecht Officer (CXO). 

 

The Breakthrough Challenge
The Breakthrough Challenge: 10 Ways to Connect Today’s Profits with Tomorrow’s Bottom Line” é, simultaneamente, um alerta inspirador para que a mudança aconteça e um guia para a transformação. Os ensinamentos do livro refletem o trabalho da “The B Team”, iniciativa que reúne líderes da área da sustentabilidade. O livro traça uma agenda para a mudança, em 10 passos, defendendo que o objetivo mais importante para as empresas passa por redefinir os resultados financeiros, através da integração dos custos das cadeias de valor a longo prazo. Para atingir este objetivo, os líderes empresariais são confrontados com a necessidade de repensar tudo: que custos devem integrar os resultados, como melhorar o desempenho corporativo, quem faz o quê no conselho de administração e até, o que é que inspira as pessoas e as empresas a mudar.

Os 10 passos da mudança, que são também os 10 capítulos do livro, contêm mensagens muito práticas, para que empresários e empresas encararem a sustentabilidade como prioridade e como benéfica para os negócios.

Os 10 passos para que os avanços aconteçam, são:

1. Adotar as aspirações adequadas levará à transformação necessária dos negócios.The-breakthrough-challenge (2)2. Criar novas estruturas empresariais como novas formas de negócios que englobam os impactos sociais e ambientais e estruturas governativas de suporte a esta nova realidade, com vista à medição e transparência.
3. Aplicar novos princípios de contabilidade através do desenvolvimento de novas formas para medir o impacto do capital natural, no sentido de avaliar riscos e oportunidades de negócio nas operações e na cadeia de valor.
4. Repensar o cálculo dos resultados redefinindo o conceito de capitalismo e alterando a forma como se aborda a economia.
5. Apostar no bem-estar porque há uma forte ligação entre o bem-estar das pessoas e o sucesso da economia.
6. Elevar a fasquia das empresas levando-as a atingir mais e melhores resultados de sustentabilidade com vista ao longo prazo, eliminando subsídios perversos e combatendo a corrupção.
7. Perseguir a transparência porque é determinante “reiniciar” as mentalidades, os valores e as instituições.
8. Redefinir a educação certificando que as próximas gerações são educadas para perceber que as empresas, além dos benefícios económicos, também devem lutar pelos benefícios sociais e ambientais.
9. Aprender através da natureza apostando no conceito biomimicry que aproveita os ensinamentos dos modelos, sistemas e elementos da natureza para resolver os problemas das empresas e das pessoas.
10. Manter o longo prazo em mente evoluindo de horizontes curtos focados em trimestres para períodos longos.

 

John Elkington vai estar em Lisboa, para a Conferência Anual do BCSD, no próximo dia 25 de Novembro, no Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa. A propósito da “The Stretch Agenda“, o britânico defende que a próxima década será repleta de oportunidades e de que é necessária uma nova liderança por parte dos Governos e dos líderes empresariais.

Além de John Elkington, também já está confirmada a presença de Maria Mendiluce na Conferência Anual do BCSD.

Partilhe este artigo

Links relacionados

+ Notícias

Os desafios da década 2030 – Galp

Os desafios da década 2030 – Galp

Entrevista a Andy Brown, CEO Galp  Quais são as prioridades da década em termos de sustentabilidade? Endereçar as alterações climáticas deve sem dúvida ser a prioridade número um desta década...

read more
Os desafios da década 2030 – SONAE

Os desafios da década 2030 – SONAE

Entrevista a Isabel Barros, Vice-Presidente do BCSD Portugal, Executive Board Member - Sonae MC, Presidente do Grupo Consultivo de Sustentabilidade do Grupo de Empresas Sonae e Presidente de Direção...

read more

Leia as notícias online. Por um desenvolvimento sustentável.