Usar resíduos industriais como matéria-prima pode criar 1.300 novos empregos e gerar 32 milhões de euros em VAB
6 Mar 2018

Em 2015, em Portugal, foram eliminados 1,1 milhões de toneladas de resíduos não urbanos (fonte: Instituto Nacional de Estatística). Se estes resíduos fossem transacionados entre empresas, isto é, se em vez de serem eliminados fossem utilizados como matérias-primas, os impactos económicos anuais seriam os seguintes: redução de consumos intermédios de 165 milhões de euros e contribuição com 32 milhões de euros em VAB (Valor Acrescentado Bruto). O impacto social traduzir-se-ia na criação de 1.300 novos empregos e o impacto ambiental numa redução superior a 5 milhões de toneladas de extração doméstica (materiais extraídos em território nacional anualmente).

Estas são algumas das conclusões do estudo “Sinergias Circulares: Desafios para Portugal”, que analisou dados nacionais de 32 empresas associadas do BCSD com vista a explorar sinergias na área dos resíduos. No total, as 32 empresas participantes no estudo “Sinergias Circulares” produzem cerca de 8,3 milhões de toneladas de 267 resíduos diferentes. Atualmente 57% dos resíduos produzidos por estas 32 empresas são eliminados e apenas 43% valorizados – uma parte dos resíduos eliminados poderia ser utilizada como matérias-primas noutras indústrias, evitando a extração de materiais virgens e a eliminação em aterro. Inverter esta situação implica analisar o potencial de transação de resíduos entre empresas, tipicamente associado a fatores como: o tipo específico de resíduo, a procura, a prática de incorporação em processos existentes e a necessidade de encontrar destinos mais adequados de tratamento e valorização.

A título de exemplo, o estudo identificou quatro resíduos que poderiam ser reutilizados como matérias-primas: os resíduos biodegradáveis podem ser usados na produção de fertilizante para jardins e agricultura; as cinzas têm destino nos setores da construção, cimenteira, asfalto ou agricultura reduzindo a extração de matéria-prima virgem; as lamas podem ser utilizadas na indústria de papel ou em fertilizantes de solos; e os solventes podem ser escoados para a produção de tintas ou de combustíveis alternativos.

Muitas destas transações de resíduos não acontecem devido à falta de informação, à ausência de capacidade técnica/tecnológica, aos custos associados, à burocracia e às barreiras legislativas, sejam comunitárias ou nacionais. Uma vez que os associados do BCSD têm vindo a desenvolver, ao longo do tempo, projetos de sinergias de resíduos, o estudo apresenta seis ações prioritárias de atuação que têm como objetivo desbloquear estas barreiras: (1) Alterações regulamentares para facilitar a transação de resíduos; (2) Promover as compras ecológicas; (3) Promover o conhecimento nas empresas; (4) Facilitar as condições fiscais e de financiamento; (5) Promover as plataformas coletivas para gestão de recursos; e (6) Comunicar resultados.

(+ info sobre o estudo)

[fusion_text]

Vídeo do evento de lançamento do estudo “Sinergias Circulares”

https://youtu.be/VxNq8iOomrA"

Partilhe este artigo

Links relacionados

+ Notícias

BCSD Portugal lança Guia do CEO para a Bioeconomia Circular

BCSD Portugal lança Guia do CEO para a Bioeconomia Circular

O BCSD Portugal lançou o Guia do CEO para a Bioeconomia Circular, que visa dar aos líderes empresariais uma compreensão do conceito e das oportunidades que a Bioeconomia Circular tem para oferecer ao setor privado. O reconhecimento de que o capital natural é finito obriga hoje as empresas a uma enorme e rápida adaptação das suas atividades e operação da cadeia de valor, no sentido de incorporar os princípios da Bioeconomia Circular.

read more
BCSD Portugal junta-se à iniciativa mundial Call on Carbon

BCSD Portugal junta-se à iniciativa mundial Call on Carbon

Foi lançada hoje a Call on Carbon, uma iniciativa global conjunta Climate Leadership Coalition, Haga Initiative e Skift Business Climate Leaders da qual o BCSD Portugal é parceiro e signatário, a par do Corporate Leaders Group Europe e da CER – Sustainable Business Network, com o objetivo de aumentar os investimentos climáticos e a tarifação do carbono.

read more

Leia as notícias online. Por um desenvolvimento sustentável.